A clorexidina: o melhor enxágue bucal?

O colutorio ou enxágüe bucal é o complemento ideal para a sua higiene dentária diária. Cada pessoa necessita de um tipo de solução oral ou colutorio adaptado às suas necessidades. Existem diferentes fórmulas de elixires orais: anticaries, cicatrizantes, para gengivite e periodontite, halitose, dentes sensíveis, boca seca…
A clorexidina é considerada por muitos como o melhor enxágue bucal. É uma solução aquosa com princípios ativos terapêuticos utilizada, principalmente, para a prevenção e tratamento de afecções bucais, tais como gengivite ou periodontite, através da redução da placa bacteriana.
Será sempre o dentista que irá recomendar o uso de um tipo ou outro de colutorio podendo ser útil saber se a combinação de pasta de dente e o colutorio é adequada ou eficaz para nós.

O uso de clorexidina
A clorexidina é um anti-séptico de indicação profissional que tem várias utilidades em odontologia. É normalmente utilizado para o tratamento da gengivite e periodontite, a prevenção de infecções antes de intervenções em que seja necessária a cirurgia (extrações, implantes) ou na cura de lesões da mucosa bucal. Mas o que significa anti-séptico? As substâncias anti-sépticas são aquelas que servem para inibir a proliferação de microrganismos e dificultam a sua ação patogênico sem prejudicar os organismos superiores. Por isso que a clorexidina serve para combater as bactérias que agem sobre os tecidos vivos de nossa boca.
O tratamento com este tipo de anti-séptico pode durar vários dias, e se aplica com a quantidade prescrita pelo dentista. Se estamos usando uma lavagem de clorexidina não devemos rebajarlo com água, pois este colutorio já está preparado para a proporção adequada.
A clorexidina tem principalmente duas ações em função da concentração a que se use:
Ação antiplaca. Forma-Se um depósito de clorexidina de dissolução lenta em todas as superfícies dentárias, o que lhe converte em antiplaca.
Ação antibacteriana. É bacteriostático (parando o crescimento de microorganismos) em baixas concentrações e bactericida (destruindo as bactérias) em concentrações altas.
Não é suficiente com a escovação?
Para realizar uma higiene oral completa, além das regulares visitas ao especialista (que nos pode submeter-se a uma limpeza profissional) e do uso de pasta de dente, você tem que adicionar fio dental para limpar os espaços que ficam entre os dentes.
Mas, mesmo levando este regime de higiene, também é recomendável a utilização de elixires ou colutorios, tal como recomendam Francisco J. Enrile de Vermelhas e Antonio Santos-Alemany em seu estudo Colutorios para o controle de placa e gengivite, baseados na evidência científica.
Os colutorios anti-sépticos, que se baseiam em chg penetram o biofilme bacteriano. Em nossa boca, estima-se que se podem encontrar mais de 700 espécies de bactérias. Sua presença é normal em um ambiente como o da cavidade bucal, mas se estes microrganismos conseguem um ambiente ideal para sobrecrecer organizam-se, crescendo em forma de uma comunidade denominada biofilme. O objetivo é alterar a quantidade ou a qualidade da placa, de forma que o sistema imunológico possa controlar as bactérias e prevenir o aparecimento e/ou progressão das doenças periodontais.
Em resumo, os colutorios, e, em particular, a clorexidina, diminuem a formação de placa bacteriana e a gengivite, inclusive em áreas de difícil acesso, com excelentes características de segurança e tolerabilidade.
Desvantagens
A clorexidina apresenta certas desvantagens que devem ser levados em consideração antes de se administrar.
Em primeiro lugar, a clorexidina pode provocar o aparecimento de manchas e circulação escuras nos dentes e a língua. Estes efeitos indesejáveis que costumam ser fruto de um uso continuado não foram observados de forma habitual com outros elixires como os compostos à base de óleos essenciais, se bem que são menos eficazes. Mas há que se destacar que estas manchas ou dissolver os cristais são eliminados na clínica com uma higiene profissional.
Além disso, por ser um anti-séptico que deve ser tomado por um profissional, jamais deve ser fornecida por iniciativa própria, sem prévia consulta por parte do paciente, pois o uso inadequado pode provocar agressões na comunidade bacteriana benéfica que está hospedada na boca.
A clorexidina, em suma, é o colutorio mais eficaz, mas também com o que devemos ter mais precauções. Não em vão, há outros anti-sépticos que também podem ser usados se o cirurgião dentista o considerar oportuno, como o Triclosán ou a Hexetidina.

Foto | iStock