Além de o leite materno, o seu bebê precisa de alimentação complementar?

Não há dúvida de que o leite materno é um dos alimentos mais valiosos que um bebê pode consumir durante seus primeiros meses de vida. Melhora o sistema imunológico dos recém-nascidos, ajuda-os a desenvolver uma ligação muito forte com a mãe e, além disso, pode ajudá-los a melhorar suas habilidades cognitivas. Em suma, é o alimento mais natural que existe e foi criado especialmente por suas mães para eles, mas quando é que se deve começar com a alimentação complementar dos pequenos? Muitas vezes, esta resposta não está em um livro, mas sim o próprio bebê. Em geral, recomenda-se o aleitamento materno de forma exclusiva até os 6 meses de vida do bebê.
Cada bebê amadurece de uma maneira diferente e a observação é a melhor arma que alguns pais podem ter para saber quando é o momento de introduzir algo de novo na vida de seu pequeno. Por exemplo, se o bebê mantém-se sentado em linha reta por si só, mostra gestos de fome ou saciedade quando está se alimentando, esses são sintomas de que seu bebê já reconhece algumas de suas funções vitais e responde perante elas. Se bem é verdade que é difícil para um bebê, e até mesmo para uma criança, reconhecer a sensação de saciedade e deve acompanhar muito bem as porções de comida que se lhe dão, é um primeiro passo para o desenvolvimento de uma relação saudável com a comida.
Nas últimas recomendações publicadas recentemente no congresso Nacional de nutrição em pediatria, afirma que, recomenda-se prestar muita atenção ao problema do excesso de peso e obesidade infantil em Portugal, já que é um problema muito prevalente em nosso meio.

Baby-led Weaning (BLW), a alimentação complementar guiada pelo bebê
Se o bebê mostra interesse pela comida, desde que sejam alimentos saudáveis e naturais, por que não deixar que entre em contato com eles? Uma boa maneira de começar a introduzir novos alimentos é deixando que o bebê esteja presente nas refeições familiares e veja como é a comida, isso é conhecido como Baby-led Weaning, ou alimentação complementar guiada pelo bebê. Deixar que jogue e experimente com esses alimentos fará com que quando você precisa tomar uma refeição sólida que lhe seja mais fácil adaptar-se. Além disso, você já sabe quais os alimentos que você gosta e quais rejeitar. Nossa responsabilidade como pais será fazer com que a sua oferta de alimentos para o Baby-led Weaning seja sempre de uma alimentação saudável, sem excessos de doces, lanches e pré-cozinhados.
Começa com coisas que sejam mais brandas, e que possa chupar sem asfixia. Escolha sempre que possível pedaços do tamanho de um punho, que possa agarrar-se com facilidade e dejárselos ao alcance de sua mão na cadeira de bebé, ou dá-los na mão. Se o bebê demonstra interesse e tem coordenação suficiente para levar o alimento à boca e saborearlo, é indicativo de que saberá engolir. Desta forma, vai começar a ter uma relação mais direta com a comida que acabará consumindo durante o resto de sua vida. Mostrou-Se que os bebês que começaram a consumir alimentos sólidos antes, não em forma de purê, mostram menos problemas quando precisam fazer a transição definitiva.
Lembre-se que os bebês aprendem por imitação e jogando, por isso é fundamental que veja os seus pais e familiares comem, assim como poder tocar, ver, cheirar e saborear a comida que você dá. Isto não significa que se deixe negligenciada enquanto consomem novos alimentos. Um dos medos mais comuns é a possibilidade de asfixia, algo que pode passar tanto se comem purés como se tomam pedaços sólidos. Preste sempre muita atenção às partes que lhe des e como controla-o, se bem tolerado e não há nenhum tipo de reação alérgica após o contato com um novo alimento. Monitorando com cuidado este processo, pode ser uma maneira muito saudável de que o bebê vá introduzindo novos alimentos e desenvolva uma relação saudável com a comida.