As cáries interproximais: não as vê, mas afetam a dois dentes

Embora as campanhas de conscientização e programas de saúde pública tem como resultado uma melhor saúde oral e uma diminuição de cáries na população portuguesa, os especialistas consideram que a percentagem de cidadãos afetados por cárie continua a ser muito elevado. Este tipo de lesões podem ocorrer em qualquer superfície dos dentes, ou em mais de um dente de cada vez, por isso existem diferentes tipos de cárie. Neste caso, conhecer uma delas, não muito conhecida entre a população: as cáries interproximais ou interdentais.
O que são as cáries interproximais?
Este tipo de cáries se desenvolvem nos espaços que ficam entre os dentes, uma vez que são zonas onde se acumula facilmente a placa bacteriana e onde é mais fácil deixar restos de alimentos e, por conseguinte, tenha tártaro. São particularmente graves, porque tendem a afetar os dois dentes. Têm mais risco de padecerlas as pessoas com apinhamento de dentes e aqueles que levam aparelhos ortodônticos ou próteses que facilitam o acúmulo de alimentos.
Além disso, desenvolve-se muito rapidamente, pois nesta área a estrutura do dente é mais fina que a da área de mastigação. Assim, é possível que, se não forem detectadas a tempo, a cárie aprofunde até o nervo do dente (polpa), provocando sensibilidade dental ou, até mesmo, dor. Nestes casos, há que proceder a uma endodontia (eliminar totalmente a polpa dental ou o que é comumente chamado “mata o nervo do dente”).
Os sintomas de cáries em geral dependem das peças dentárias que foram afetados e sua profundidade. Assim, sintomas como dor só ocorre quando a cárie foi mais longe do esmalte do dente, atingindo a dentina. Inicialmente, só se sente dor ao ingerir bebidas frias, quentes ou doces, ou comida, o que significa que a polpa dental ainda não está afetada.
Uma vez que a cárie provoca danos na polpa do dente, ele pode gerar dor, mesmo sem a intervenção de nenhum agente externo, ou existe a possibilidade de que a polpa for morto, e que a peça se torne sensível quando se morde, se pressionada com a língua ou o dedo, por causa da inflamação da raiz ou, até mesmo, por infecção.
Como se diagnosticam e tratam as cáries interdentais
São difíceis de detectar, por isso é conveniente ir ao dentista uma vez por ano, para submeter-se a exame. Inclusive, há ocasiões em que o dentista só pode diagnosticarlas através de raios x, uma vez que não são visíveis a olho nu, a não ser que já sejam muito extensas, causando uma aparente destruição dos dentes.

Outro método de avaliação é fio dental, que traz informações sobre a existência de um grande espaço entre os dentes, o que facilita a acumulação de comida. Além disso, se o floss dental se esgarça, é um bom indicador da existência de uma cárie, que é a responsável pela ruptura desse fio.
Para tratá-las, há que avaliar se são afetados por um ou dois dentes, nesse último caso, é aconselhável reparar dois dentes em uma única sessão. Geralmente, para as cáries interproximais se empregam as técnicas de reconstrução de cárie. Quando apenas é afectado o esmalte pode ser usado um tratamento de remineralização com flúor para que se autorrepare.
Nos casos em que está em causa a dentina, procede-se a empastar a área afetada após limpar a parte cariada do dente ou os dentes afetados. Se a cárie está muito estendida, você deve extrair a polpa e realizar uma endodontia, como mencionado anteriormente. Em casos graves, pode-se optar pela extração da peça dentária.
Como prevenir
Uma boa higiene dental é a melhor arma para evitar o aparecimento de cáries que afetem toda a superfície do dente, incluindo as interproximais ou interdentais, bem como outros tipos de cárie, e ter uma boa saúde oral em geral. Além da escovação após as refeições, é aconselhável usar fio dental ou escovas interproximais para a limpeza interdental, que você pode complementar com o uso de colutorios.
Para evitar o aparecimento de cáries, os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos recomendam:
Um bom escovar os dentes todos os dias com creme dental com flúor, já que este mineral fortalece os dentes e as raízes dentárias menos sensíveis.
Usar diariamente o fio dental ou escova interdental.
Prestar atenção ao que se come, evitando, na medida do possível, a ingestão de produtos açucarados ou com ácido, como por exemplo, as bebidas de cola. Os nutrientes que as bactérias causadoras de cáries precisam para viver provêm da alimentação.
Visitar o dentista regularmente.
Submeter-se, uma vez por ano para limpezas dentais por parte dos profissionais da odontologia.
Terapia anti-bacteriana em pessoas muito propensas à cárie quando prescreve o dentista.