As fobias, consequências e como enfrentálas

Pode-Se apresentar este quadro diante de animais, como aranhas, cachorros, etc., também diante de situações como voar, dirigir, espaços abertos ou fechados, para as alturas, etc., provocando tremores, tonturas, sudorese e taquicardia.
Estima-Se que pode haver cerca de 500 fobias diferentes e que uma em cada vinte pessoas sofre de algum tipo de elas que, geralmente, começam na infância com algum acontecimento desagradável ou chocante que a criança não é capaz de gerir emocionalmente, deixando-impressão.
Mesmo sendo consciente de que é um medo, que não tem razão de ser, o paciente, na maioria das vezes, não é capaz de superar por si só, provocando, às vezes, importantes distúrbios no seu ambiente familiar, de trabalho ou social.
Conseqüências sociais
Uma fobia que não se trata se vai tornando cada vez mais patente, causando mais sintomatologia que afeta cada vez mais o paciente em suas relações sociais, reduzindo a sua auto-estima, podendo chegar, em casos extremos, a isolar-se socialmente de seu ambiente de trabalho, escolar e familiar. Este não é senão o primeiro passo para a depressão, que busca o refúgio, em muitas ocasiões, o abuso de drogas e álcool, as quais são as únicas que lhes permitem lidar com essas situações.

Como curar uma fobia
Existem diversos tratamentos para tentar curar uma fobia, em geral, terapias psicológicas, mas algumas vezes pode ser necessário a utilização de fármacos ansiolíticos ou antidepressivos.
Um tipo de tratamento é chamado de “terapia de exposição”, a qual consiste em que, pouco a pouco, com a ajuda do psicólogo ou psiquiatra, o paciente vai entrando em contato com o animal ou a situação que provoca os sintomas fóbicos, a fim de que vá controlando seus medos de forma paulatina.
Outra forma é que o paciente, usando a imaginação, recrie as situações que teme até que já não possa controlar mais seus sintomas de ansiedade, começando de novo quando estiver mais tranquilo, até que cada vez tolere períodos mais prolongados exposto à situação que lhe causa fobia.
Existem outro tipo de tratamentos, chamadas de “terapias cognitivas”, para certos tipos de fobias, como o medo de voar. Consistem em oferecer ao paciente toda a informação possível para poder enfrentar o medo, que não é ter medo de avião, mas sim os pensamentos catastróficos que podem turbarnos na hora de voar. Portanto, trata-se de mudar os pensamentos e preocupações negativos por conhecimentos reais sobre o tema, com o fim de chegar a compreender que viajar de avião é seguro. Especificamente para lutar contra esta fobia existe uma página da web VolandoSinMiedo.com que oferece um curso online gratuito para ajudar a superar o medo de viajar de avião.
De todas as formas, há que dizer que uma pessoa para fazer sua estréia com uma fobia, sobretudo na idade adulta, não deve se submeter a qualquer tratamento que não seja supervisionada por um profissional, o qual será encarregado de descartar qualquer causa médica subjacente.