As melhores dicas para aumentar a esperança de vida

A OMS considera que a elevada esperança de vida dos espanhóis (de 79,5 anos para os homens e 85,5 para as mulheres) responde a uma mistura de estilo de vida e dieta, mas também envolvem o funcionamento da saúde pública e privada.
Por essa razão, doenças cardiovasculares, respiratórias, câncer e diabetes, quatro das principais doenças não transmissíveis, são cada vez menos frequentes entre os homens espanhóis, entre os 30 e 70 anos, enquanto que entre as mulheres estão entre as mais baixas do continente.
Apesar de tudo, para manter uma vida longa e saudável também é recomendável adotar uma série de hábitos que estão negligenciando e que, a longo prazo, podem retardar ou mesmo reverter o crescimento da esperança de vida. Em seguida, vamos analisar os hábitos que mais influenciam estas patologias.
Evitar a obesidade
De acordo com os números que resultam da própria OMS, o excesso de peso afeta o 60,9% dos espanhóis maiores de 18 anos no ano de 2014, valor que supera em 1,7 pontos percentuais a há apenas cinco anos. Por isso, tornou-se um dos aspectos mais preocupantes para os responsáveis deste organismo.
De uma lista de 51 países, Portugal é o nono, com mais habitantes com excesso de peso. Na obesidade ocupa o posto de sexto, com 23,7% da população (em 2010, a taxa era 22,1%).
Se a obesidade continua a crescer a este ritmo, poderia afetar negativamente sobre os dados de esperança de vida.
Até agora, o sobrepeso e a obesidade eram problemas menos importantes em Portugal, principalmente devido à dieta mediterrânica, em que prima frutas, vegetais e o azeite de oliva e não estão demasiadas gorduras saturadas. A influência de massas, estrangeiras e modas como fast food estão relegando a um segundo posto da dieta mediterrânea.
O excesso de peso também é reforçado por um outro ponto: a cada vez mais escassa actividade física, particularmente entre as gerações mais jovens. São algumas das conclusões de Claudia Stein, diretora da Divisão de Informação, Evidências, Pesquisa e Inovação do Escritório regional para a Europa do organismo da ONU.
Por esta razão, não só devemos cuidar da alimentação e voltar aos hábitos mediterrâneos, mas também realizar uma atividade física regular, que ao menos deve incluir:
Exercícios aeróbicos
Fortalecimento dos músculos
Exercícios de elasticidade
Evitar o consumo de álcool

O aumento no consumo de álcool constitui um problema para uma vida longa e saudável. O álcool mata a cada ano, mais de 3,3 milhões de pessoas, uma cifra superior aos óbitos por AIDS, tuberculose e violência juntas. Segundo palavras de Zsuzsanna Jakab, diretora regional da OMS para a Europa:
Há um risco muito real de que o que estamos conseguindo é perder, se o tabagismo e o consumo de álcool continuam no ritmo atual. E será especialmente relevante para os jovens, que não podem viver tanto como seus avós.
Evitar o tabaco
O consumo de cigarros provocou em 2012, a morte de mais de 60.500 pessoas em Portugal, 166 homens e 40 mulheres por dia, segundo um estudo realizado por Eduardo Gutiérrez Lima, da Gerência Regional de Saúde de Castela e Leão.
Se, em 2010, fumava o 32,1% dos espanhóis, esse percentual caiu para 31% em 2012. Portugal, porém, continua um dos países mais específica: o candidato com maior percentagem de uma lista de 41.
Estes maus dados para Portugal são provenientes, sobretudo, das mulheres, que são as sétimas que mais fumam da lista. Só são superadas pelas cidadãs de Bósnia e Herzegovina, Bulgária, Alemanha, Grécia e Croácia, e nivelam as de República Checa.
Vacinação e exames médicos
Por outro lado, a OMS também avisa que se estão produzindo “lacunas” na vacinação contra algumas doenças preveníveis estão dando lugar a alguns brotos.
No caso da pólio, a taxa de cobertura está em 95,4%, segundo dados de 2012.
No caso do sarampo, os dados mais recentes mostram um ligeiro aumento de cobertura média (de 93,4% em 2010 para 94,6% em 2012), mas, apesar disso, continuam a ocorrer falhas de imunidade que têm dado lugar a uma série de surtos da doença nos últimos anos.
Em 2015, foram registrados quatro óbitos, a que haveria que somar a registrada por difteria em Portugal, que trouxe a primeira morte por esta doença nos últimos 30 anos.
Por esta razão, para manter uma vida longa e saudável devemos levar também ao corrente da nossa cartilha de vacinação, bem como realizar exames médicos regulares a fim de prevenir algumas doenças.