Chega o outono: cuidado com a bronquiolite

Chegou o outono e com ele, o risco de desenvolver muitas doenças causadas por patógenos que florescem nesta época do ano. Um exemplo delas é a bronquiolite, um distúrbio inflamatório provocado por um vírus que atinge o seu maior incidência durante os meses de outono e inverno, entre novembro e março/abril. É um dos principais inimigos das crianças, pois se trata de uma patologia que sofrem, principalmente os mais pequenos da casa, os menores de 2 anos.
O que é a bronquiolite
Trata-Se de uma infecção do sistema respiratório causada por diferentes vírus, que afeta, principalmente, os bronquiolos dos pulmões -pequenas vias dos brônquios – e que costuma durar uma semana, aproximadamente. A causa mais frequente de bronquiolite é o vírus sincitial respiratório (VRS), que estima-se que afeta 65 por cento dos bebês em seu primeiro ano de vida e mata cerca de 200.000 crianças por ano em todo o mundo.
A nível mundial, estima-se que o VRS é responsável por quase 7 por cento das mortes em crianças entre um mês e 1 ano, atrás apenas da malária. Outros grupos em risco de doença grave após ser infectado com este vírus são os adultos com mais de 65 anos e pessoas com sistemas imunitários comprometidos. O vírus da gripe ou os adenovirus, entre outros, também podem levar a sofrer bronquiolite.
O principal problema que as crianças sofra de uma infecção deste tipo é que eles são mais suscetíveis a voltar a desenvolvê-lo. Conforme explica a Sociedade Espanhola de Pneumologia Pediátrica, se a criança teve que ser hospitalizado por um quadro de bronquiolite, é muito possível que nos meses subsequentes, inclusive nos anos seguintes, seus resfriados tenham sintomas semelhantes aos da bronquiolite inicial, ou seja, apresentam hiper-reatividade das vias aéreas.
Também há pesquisas que apontam que as crianças que sofrem de um transtorno desse tipo durante os primeiros meses de vida apresentam mais risco de desenvolver asma mais tarde, ao longo de sua vida, na infância ou na adolescência. Assim que os pais de crianças que sofrem desta condição quando são bebês ou muito pequenos devem ficar em alerta, em anos posteriores.
Fatores de risco da bronquiolite

Embora, como já explicado, os vírus são os culpados por esta infecção pulmonar e do aparelho respiratório, existem fatores de risco que aumentam as chances de sofrer bronquiolite. Os principais são:
Idade: crianças de seis meses apresentam maior risco de desenvolver bronquiolite. Os que têm menos de três meses quando sofrem de uma doença deste tipo têm mais chances de serem hospitalizados, principalmente porque seus brônquios ainda são muito estreitos.
Não ser amamentado: o aleitamento materno fornece defesas para os pequenos.
O nascimento prematuro: nascer antes da semana 37 de gestação aumenta o risco de bronquiolite.
Ir para a creche ou ter irmãos mais velhos: o contato com outras crianças expõe os bebês vírus.
Exposição ao fumo de tabaco: o fumo do cigarro pode não apenas aumentar o risco de sofrer desta doença, mas que pode empeorarla. De acordo com uma pesquisa publicada no Annals of Allergy, Asthma