Como deve carregar a mochila escolar do seu filho para que não lhe doa costas

As dores de costas são um problema comum entre as crianças. Para evitar isso, recomenda-se que o peso das mochilas não exceda 15% do que pesa a criança. Às vezes, porém, os pequenos levam até 35% do que eles pesam. Esta má prática provoca espasmos e sobrecargas que, embora não sejam graves, podem cronificarse e condicionar tanto o desenvolvimento da criança como a sua qualidade de vida na idade adulta.
Tipos de mochila para meninos e meninas
Existem muitos tipos de mochilas escolares, cada um para uma necessidade e idade diferente. Ao conhecer os diferentes tipos de mochilas escolares, pode nos ser mais fácil decidir qual é a melhor para nossos filhos.
Mochila ou bolsa escola clássica
É a mochila de sempre, a de toda a vida. Trata-Se de uma bolsa grande, com duas alças para pendurar nos ombros e carregar nas costas. Existem em diferentes tamanhos e formas e, dependendo do modelo, contará com um ou mais compartimentos, onde poderá guardar os diferentes artigos escolares que a criança precisa levar para a aula.
É uma das opções favoritas, já que é muito confortável de usar, conta com uma grande quantidade de espaço para poder transportar tudo o necessário para o dia-a-dia e conta com alças reguláveis que se adaptam ao crescimento da criança, ou ao tipo de carga, de forma que se ajusta perfeitamente à sua altura e constituição.
Os modelos que têm tiras e fundo de costas acolchoadas, facilitam a carga e evita que as alças se claven nos ombros da criança devido ao peso da carga da mochila.
Mochila ergonômica
É uma variante do modelo anterior. As novas mochilas ergonômicas contam com um design anatômico que se adapta à morfologia da criança para ajudá-lo a cuidar costas e evitar as dores por carregar tanto peso.
Trolley ou mochila com rodas
A mochila com rodas é outra das favoritas, pois permite carregar mais peso do que as mochilas escolares clássicas sem forçar tanto as costas. Ao levar rodas, pode-se arrastar, evitando carga excessiva sobre os ombros.
A estrutura é semelhante à das mochilas clássicas, até mesmo alguns com alças para fins de impressão levar também a volta. A única diferença é que incluem uma estrutura em forma de carrinho sobre o qual repousa a mochila. Também incluem uma alça extensível para poder puxá-la e adaptar-se ao crescimento da criança.
O problema destas mochilas reside em superar as dificuldades que apresentam na hora de ser arrastadas por terrenos irregulares, como ruas, calçadas, escadas ou acessos difíceis.
Mochila saco de ombro ou transversal
Não são muito frequentes e sua principal característica é que, embora carreguem nas costas de como as mochilas clássicas, leva apenas uma asa, e vai atravessada sobre o peito.
Costumam ter menos capacidade, e são piores para suportar o peso, já que este recai apenas sobre um ombro. Trata-Se de uma mochila prática para outros domínios em que não é preciso levar muito material acima. Por exemplo: na hora de sair de passeio.
Mochila tipo saco ou de um só ombro
Algumas mochilas adotam a forma de um grande saco. Sua estrutura consiste em uma bolsa grande, normalmente de design horizontal, que pode incluir vários compartimentos em seu design, tanto interiores como exteriores.
Sua principal característica é a alça longa, que pode ser qualquer um dos dois ombros. Ao igual que no caso da mochila de ombro, não é recomendável para carregar muito peso, já que é carregado sobre um ombro. No entanto, é muito conveniente para se levar pouco material.
Mala, maleta ou pasta com alça
As mochilas escolares estilo mala ou portfólios possuem uma alça superior para levá-las na mão. Alguns modelos também possuem uma alça mais longa para poder carregá-la sobre um ombro ou levá-la em um lado do corpo, cruzada sobre o peito.
Embora muitas têm grande capacidade, são desconfortáveis se carregam muito, já que o peso recai sobre um único braço. Algumas delas, além disso, têm a forma quadrada vertical ou retangular horizontal, pelo que distribuem pior a carga e desequilibram mais as costas para o rival por todos os lados.

Assim que, em geral, as melhores mochilas são aquelas que permitem distribuir melhor o peso, como acontece com as mochilas clássica e ergomómica, ou levá-lo rastejar para não forçar a musculatura e os ossos de suas costas, como é o caso dos trolleys.
Que mochila escolher para seus filhos de acordo com sua idade e peso
Há três fatores importantes a ter em conta na hora de escolher uma mochila infantil:

As medidas da mochila: a mochila nunca deve ser maior do que as costas da criança.
A capacidade da mochila: é geralmente medido em litros e uma vez completamente carregada não deve pesar mais do que 10-20% do peso corporal da criança.
As características da mochila: devemos escolher uma mochila confortável que se adapta às necessidades da criança de acordo com a atividade ou a idade. As prestações são também importantes. Alguns extras a ter em conta são: a de que as alças são acolchoadas e reguláveis, se tem cinto à altura do peito e a anca que ajude a transferência de parte do peso da mochila, se dispõe de ventilação nas costas, os acessos ao interior do compartimento principal, bolsos exteriores e interiores, cobertor de chuva ou tela impermeável, e assim por diante.

Como recomendação geral, as crianças em idade pré-escolar devem levar mochilas clássicas apenas carregadas com uma muda limpa e uma pequena garrafa de água. As mochilas devem ser de tamanho pequeno e com um único bolso central. Melhor se tiver arnês de peito que evite que as alças aderente de ombro e alça tiracolo com alça para pulso dos pais. Também é recomendável que tenham uma etiqueta com o nome e o telefone dos pais no interior.

A partir dos 3 anos, as crianças já têm melhorado o suficiente a sua capacidade motora para poder arrastar uma mochila no chão. Desta forma, favorece-se o transporte de um maior peso sem que se resientan os ombros ou a coluna vertebral. De qualquer forma, esta nunca deve ser também de tamanho superior às costas da criança ou sobrecarregada acima do peso indicado acima.

Os modelos em forma de saco, com uma única tira cruzada sobre o peito ou as costas, ou de tipo bolsa ou maleta devem ser utilizados a partir da adolescência, quando já somos capazes de manter um ritmo constante de marcha com uma carga significativa às costas. Também não é conveniente carregá-los demais ou escolher projetos muito grandes para o corpo do estudante.

Como regra geral, é sempre melhor escolher um modelo anatômico, com alças e costas acolchoadas. E se for necessário, podemos aliviar o peso que carrega a criança de costas, complementando e dividindo o conteúdo da mochila com um portfolio, classificador ou pasta de mão.

Quanto peso pode levar uma criança de acordo com seu peso e idade

A capacidade das mochilas é medido em litros e as recomendações dos especialistas para crianças e jovens, entre 4 e 12 anos, é que o peso total da mochila já carregada não deve pesar mais de 15% do peso corporal da criança. Portanto, o ideal é avaliar cada caso de forma individual, tendo em conta o peso específico da criança na hora de escolher sua mochila escolar.

Como recomendações gerais, devemos escolher uma mochila de menos de 6 litros para os menores de 3 anos, de não mais de 6 para os pré-escolares e entre os 14 e os 30 litros para o resto de crianças abaixo da idade adulta.

Também é importante ensinar a criança a usar adequadamente a mochila, bem adaptado ao seu tamanho e pôr de maneira correta sobre os ombros e costas, para que o peso não desequilibre ao caminhar, incline a sua volta, nem desvie sua coluna.

Problemas com o excesso de peso na mochila
Vários estudos relacionam as dores nas costas com o uso continuado de mochilas muito pesadas. O dr. Wayne Yankus, da Academia Americana de Pediatria, garante que as mochilas fazem com que as crianças estejam desequilibrados, fazendo com que tenham uma postura que aumenta a probabilidade de uma dor na parte baixa das costas.
Um estudo realizado na Universidade de Auburn, concluiu que as mochilas que são demasiado pesadas colocam em perigo as colunas no desenvolvimento de crianças e provocam dores musculares e nas costas, assim como problemas de dormência e dor no ombro.
As mochilas cheias não são apenas responsáveis por lesões nas costas. Também causam dor de garganta, tensão nos ombros, dores de cabeça e exaustão geral. As mochilas que pesam em excesso também podem ser os culpados de algumas lesões de tornozelo, já que fazem com que seus portadores andarem mal.
Inclusive, há profissionais de saúde que se relacionam com as mochilas cheias com alguns casos de escoliose e outros problemas físicos permanentes. Isto se deve a que, na prática, verificou-se que o peso médio das mochilas dos alunos de 10 anos é o dobro do recomendado pelos médicos. Para resolver este problema, devemos escolher uma mochila adequada para a idade, peso e tamanho de nossos filhos e ajudá-los a preparar para ir ao colégio.
Se ensinamos as crianças a preparar bem a mochila, selecionando e priorizando o conteúdo em função das matérias do dia, em pouco tempo o pequeno aprenderá a preparar-lhe apenas sua mochila (que, ao fim e ao cabo, é um objeto privado cujo conteúdo é íntimo e pessoal, por isso devemos respeitá-lo). É importante que, para promover sua autonomia, a criança vá adquirindo o hábito de ser ele mesmo quem vazio no final do dia e que o prepare para o dia seguinte.
Para prevenir problemas nas costas, também devemos incutir em nossos filhos hábitos de vida saudáveis, evitando que caia no sedentarismo e incentivando-as a fazer algum exercício físico pelo menos duas vezes por semana, especialmente esportes como a natação, que favorecem o desenvolvimento dos músculos das costas.