Como emagrecer durante a menopausa

Fazer exercício com regularidade, descansar adequadamente e manter uma dieta saudável e equilibrada. Todos nós conhecemos as premissas básicas para manter os quilos à distância e cuidar de nosso corpo e saúde em geral. No entanto, certas fases de nossa vida e mudanças biológicos nos obrigam a introduzir determinadas alterações.
É o caso da menopausa, quando o organismo da mulher sofre uma série de alterações hormonais que podem levá-la a ganhar peso. Felizmente, emagrecer a partir de então também é possível. Hoje recolhemos algumas dicas para conseguir isso com sucesso.
Que mudanças na menopausa afetam o peso
Como mencionamos, durante a menopausa, ocorrem algumas alterações que podem ter um impacto sobre o peso. A desaceleração do metabolismo e a perda progressiva dos ovários de sua capacidade de produzir hormônios que regulam o ciclo menstrual (estrogênio e progesterona) são alguns dos mais importantes.
De fato, acredita-se que a diminuição dos primeiros afecta os neuropeptídeos, relacionados com o controle do apetite. O aumento da galanina e a diminuição de sua vez, têm o mesmo efeito. Nesta fase, a leptina, produzida no tecido adiposo pode estar enganando o cérebro sobre a quantidade de gordura que tem o corpo.
Os níveis de progesterona também são limitadas, na menopausa, algo que também afeta a retenção de líquidos e o aumento de peso. As alterações que ocorrem nos de andrógenos e testosterona são outros os que afectam negativamente.
Como nos alimentar

A primeira coisa que devemos mencionar é que não é aconselhável levar a cabo uma dieta muito rigorosa ou que modifique radicalmente nossos hábitos alimentares, nos complicado da vida social ou similares. Além disso, deve-se introduzi-la de forma paulatina, se não queremos sofrer de ansiedade ou outros problemas associados a este tipo de alterações. Por outro lado, os chamados regimes de choque acabam causando o temido efeito rebote e diminuindo o metabolismo.
Para começar, por exemplo, podemos ir retirando as gorduras saturadas, no mínimo, o sal, a cafeína e o álcool aumentam a retenção de líquidos). Reduzir as quantidades e aumentar o número de refeições é outro imperativo. Além disso, trataremos de ampliar a presença daqueles alimentos diuréticos como o abacaxi, a melancia e chás de ervas como a cauda de cavalo. Os ricos em fibras também nos dão um empurrãozinho.
Não obstante o referido, deve saber que a queda de hormônios causa também descalcificação nos ossos e osteoporose, razão pela qual teremos que aumentar a ingestão de cálcio e de vitaminas como a, D para te ajudar a repará-lo.
O esporte, um ponto-chave

O esporte é outro ponto chave na hora de perder peso. E se você já o fazíamos, deve-se aumentar a frequência ou a intensidade dos treinos. Existem modalidades muito divertidas como a escalada, o spinning e o trail running que nos ajudam a nos livrarmos desses terríveis quilos (e a fixar o cálcio nos ossos) passando um momento muito agradável, algo fundamental para manter a motivação em seu auge.
Também não devemos cair no erro de fazer apenas exercícios de tipo aeróbico que, embora sejam muito importantes na perda de gordura, são insuficientes. A idéia será aumentar a nossa massa muscular e acelerar o metabolismo através de movimentos específicos. A segregação de endorfinas, por outra parte, vai nos ajudar a combater o mau humor.
Por que é importante controlar o peso
À medida que envelhecemos também aumenta o risco de doenças como a osteoporose, artrite e similares, algumas patologias que se vêem agravadas com o aumento de peso. Este pode dar também lugar à diabetes, problemas cardiovasculares, doenças endócrinas e um longo etc.
Outras recomendações e sugestões para este período da vida da mulher

Além desses quilos, não podemos deixar de falar de outras alterações que afetam a mulher durante este período de sua vida. Estamos Nos referindo aos possíveis ondas de calor, irritabilidade e sentimentos depressivos precisamente ocasionados por todas as alterações hormonais.

Por não falar de como podem chegar a afetar esses alterações físicas em determinadas pacientes com problemas de auto-imagem. O estresse e a falta de sono também não ajudam, pois aumentam o cortisol, responsável também a sensação de fome e capaz de destruir músculo. Dito isso, será importante a realização de atividades e ritos que nos façam sentir bem, assim como nos relacionar e compartilhar nossos sentimentos.
E nunca é de mais recorrer a um especialista que nos ajude a fazê-lo. E, aqui, não têm cabimento apenas os psicólogos, mas outros especialistas que, por exemplo, possam oferecer aconselhamento nesta área terapias, tais como as de reposição hormonal, que trata de aliviar estes sintomas mencionados.
Manter-se bem hidratada e fresca mantê-lo longe dos sufocos, e praticar Pilates, Yoga ou meditação nos permite estar mais descontraídas. Cuidar de nosso sorriso, proteger a pele –o desequilíbrio hormonal também afeta – e cuidar do assoalho pélvico –a fraqueza, a este nível pode favorecer o aparecimento de incontinência e prolapso genital em mães que não têm recuperado, a musculatura – serão a chave.