Contra o envelhecimento, antioxidantes: em quais alimentos estão?

Muitas vezes fala-nos da importância de apresentar os antioxidantes adequados para o nosso corpo, para prevenir o envelhecimento, mas você sabe realmente o que são e onde podemos encontrá-los? E o que há sobre por que se produz em nosso organismo, esse processo de oxidação? Hoje esclarecemos todas as dúvidas, respondendo às perguntas mais frequentes sobre os antioxidantes e os radicais livres.
Radicais livres vs antioxidantes
Vamos começar pelo princípio: o que são antioxidantes? Trata-Se de uma série de moléculas que são capazes de retardar ou prevenir a oxidação de outras moléculas ou células. Mas como é que o nosso corpo enferruja? A que se deve isso? Aqui é onde entram em jogo os “maus” de filme: os radicais livres. Estes radicais livres são moléculas que promovem esta oxidação celular, e que podem ocorrer de duas maneiras.
Radicais livres internos: ocorrem dentro de nosso corpo, devido a algumas atividades, como o exercício intenso (por isso é importante para os atletas, fazer um bom aporte de antioxidantes através da dieta). Outros fatores que influenciam no aparecimento de radicais livres podem ser o stress ou a ansiedade, que podem ter diversas causas e conseqüências: um excesso de trabalho, falta de descanso e de sono, as excessivas preocupações… Também os radicais livres são produzidos pelo próprio metabolismo celular: é lei de vida que as células se vão por meio da oxidação e deteriorando com o passar do tempo, mas podemos prevenir e neutralizar este processo.
Radicais livres externos: são aqueles induzidos por nós mesmos ou para o ambiente. A boa notícia é que, ao ser causados por nós, também nós podemos controlar. Alguns dos fatores que podem facilitar o aparecimento de radicais livres são uma alimentação pouco saudável e pouco equilibrada, o consumo de álcool, o tabagismo, a poluição, o uso de certos medicamentos ou uma exposição solar excessiva…
Frente a esses radicais livres, o nosso corpo se defende neutralizándolos para evitar a oxidação dos tecidos, e é um mecanismo que, controlando os agentes dentro de nosso alcance, funciona bem. O problema surge quando há uma acumulação elevada de radicais livres no nosso corpo: isto pode dar lugar a diferentes situações, como problemas no sistema cardiovascular e nervoso (devido a uma menor irrigação sangüínea) ou ao inevitável envelhecimento (acima de tudo nota-se no envelhecimento da pele, que ao perder colágeno e elastina também perde firmeza e elasticidade.
Onde podemos encontrar os antioxidantes que precisamos?

Dentro dos antioxidantes, podemos reconhecer dois grandes grupos. Por um lado encontram-se os antioxidantes endógenos, que são enzimas ou proteínas antioxidantes, que não se consomem, ao reagir com os radicais livres (portanto, nós não temos que aportarlas através da dieta), mas sim são dependentes de outros compostos que devemos contribuir, através da alimentação, como o zinco (que podemos encontrar as sementes de abóbora ou os amendoins), o magnésio (presente no farelo de trigo ou de aveia ou sementes de girassol), o ferro (que encontramos em legumes, a gema de ovo ou peixe), selênio (no chá preto, em produtos como o leite e o iogurte e as frutas diferentes) e o cobre (que podemos consumir através de frutos do mar e as frutas desidratadas).
O outro grande grupo é o dos antioxidantes exógenos, aqueles que provêm de nossa dieta, se consomem, ao reagir com os radicais livres, e é necessário que repongamos mediante a ingestão de certos alimentos. Estes antioxidantes podem ser encontrados em frutas e vegetais, mas também em outros alimentos:
Vitamina A ou beta-caroteno: os encontramos em cenouras, laranjas, damascos, espinafres, couves…
Vitamina C: presente principalmente em frutas cítricas como laranjas, toranjas, limões. Também em outras frutas como kiwi, as goiabas, as fresas ou os melões. Além disso, podemos encontrá-la em verduras como o espinafre, a couve-flor e legumes como pimentões vermelhos.
Vitamina E: as fontes de vitamina E são geralmente de origem vegetal, especialmente os vegetais de folha verde, como brócolis ou espinafre. As sementes também são uma boa fonte desta vitamina, entre elas a soja, germe de trigo e a levedura de cerveja. Os óleos vegetais como o de oliva, girassol ou de soja também são fontes de vitamina E.