Cuida sorriso na menopausa

A menopausa é uma fase da vida da mulher que acarreta mudanças físicas e anímicas. Além de sintomas tão conhecidos como os afrontamentos, dores de cabeça e a irritabilidade, influencia também a nossa saúde oral. Este período, que começa entre os 45 a 50 anos, caracteriza-se por uma queda nos níveis de estrogênio e progesterona, o que pode causar problemas nas gengivas, mucosa bucal e o osso que sustenta os dentes.
Problemas mais comuns na menopausa
Adelgaçamento da mucosa bucal. Como conseqüência da redução na produção de hormônios, as mucosas da boca, como as de todo o corpo, tornam-se mais frágeis e a sua função protetora se enfraquece.
Secura da boca. As glândulas salivares produzem menos saliva, o que se apresenta secura da boca. A secreção salivar é importante devido a sua função de manter os tecidos úmidos e em que se favorece com que a boca fique mais limpa ao regular a quantidade de bactérias presentes.
Recessão gengival. A gengiva, encarregada de segurar o dente, se enfraquece e retrai, provocando sensibilidade contra agentes externos, como bebidas ou comida quente ou fria. Isto, unido à secura bucal, pode levar a desenvolver cárie de origem radicular (na região do dente próxima à raiz).
Síndrome da boca ardente. Caracteriza-Se por provocar um forte ardência e sensação de queimação ou coceira, que afeta principalmente a língua, e às vezes, as gengivas e os lábios.
Perda de osso. Existem inúmeros estudos que estabelecem uma relação direta entre as doenças periodontais e a osteoporose. E é, precisamente, durante a menopausa, quando esses problemas se agravam. A perda do osso alveolar influencia na sua função de segurar os dentes e, ao estar pior fixados, aumentam as chances de se perder, apiñen ou deformen.
Problemas da articulação temporomandibular (ATM). As alterações hormonais causam perturbações anímicas, que, em certos casos, podem levar a apertar os dentes, sendo até mesmo necessário o uso de moldeiras. Usamos a articulação temporomandibular para abrir e fechar a boca, e na menopausa podem apresentar complicações como os cliques de abertura, dor a nível do ouvido ou dores de cabeça.
Cárie dentária. Como consequência dos anos, os dentes perdem o brilho e ganham opacidade de cada vez que vão amarelando. Além disso, pode ocorrer desgaste, pelo que as bordas dos incisivos se vêem finos e resquebrajados.
Medidas de prevenção

Apesar de ser possível que a prevenção não evite por completo o aparecimento de alguns dos problemas mencionados, é certo que, em grande medida, melhorarão. Por isso, será de vital importância:
Enriquecer a nossa dieta com os alimentos que contêm vitamina A, e e C. Estas fortalecem a pele e as mucosas. Podem ser obtidos através da dieta ou de suplementos específicos.
Hidrate-se corretamente. Para obter mais hidratação na boca e diminuir a placa bacteriana é muito importante se hidratar de forma adequada e tomar dois litros de água de cada dia. Se a boca seca causa desconforto, podem-se tomar balas ou chicletes sem açúcar com sabor cítrico, já que estimulam as glândulas salivares.
Extremar as medidas de higiene oral. Você deve comprar um certo hábito de higiene dentária diária para gengivas sensíveis, com uma boa escovação, fio dental e colutorio específico para cada caso. Ao escolher a pasta de dentes que devemos procurar os que têm um índice de abrasividad baixo ou médio e, em relação à escova, deverá optar pelos que têm filamentos suaves, pois não danifica o esmalte.
Ir regularmente ao dentista. É aconselhável submeter-se anualmente a uma ou duas revisões profundas dos dentes e gengivas. Este se enfraquece muito com a idade e, geralmente, essa deterioração é bastante assintomático, ao menos inicialmente.
Graças aos avanços técnicos e uma maior consciência social, as mulheres de meia-idade hoje em dia podem parecer uma descoberta agradável e saudável. Isso sim, será necessário cuidar especialmente a higiene bucal e visitar regularmente o dentista. A menopausa não tem que apagar o sorriso.