De pouco serve cuidar de seus dentes se esquecer das gengivas

Quase sempre, mais preocupados com as cáries, os implantes ou ortodontia, não costumamos dar as gengivas a importância que merecem. No entanto, a saúde dos nossos dentes depende em grande medida de seu estado. Constituem o tecido mucoso que protege a base dos dentes e os ligam ao osso, de modo que o seu papel na saúde oral é essencial.
A maioria da população adulta em Portugal sofre de algum problema relacionado com as gengivas, devido, principalmente, a uma alimentação inadequada e a um mau hábito de higiene bucal. Um 80-85% tem gengivite e um 25-40% pode apresentar periodontite, segundo dados da Sociedade brasileira de Periodontia e Ostointegración (SEPA).
Gengivite e periodontite, principais doenças das gengivas
A patologia relacionada com as gengivas mais leve é a gengivite, que ocorre pelo acúmulo de placa bacteriana até o ponto de provocar a inflamação, vermelhidão e até mesmo o sangramento das gengivas ao escovar os dentes.
É facilmente tratável, mas se não for feita pode levar ao que é conhecido como a periodontite. Trata-Se da inflamação ao redor do dente, que causa a retirada das gengivas e favorece a formação das chamadas bolsas periodontais, a acumulação de placa bacteriana, que chegam a danificar o osso e os tecidos que sustentam o dente, de forma que este começa a se soltar e pode até mesmo cair. De fato, a periodontite é a causa mais comum de perda de dentes entre a população e uma das maiores ameaças para a nossa saúde dental.
Para além destas consequências a nível oral, em casos mais graves de epilepsia, a placa bacteriana que se acumula nas gengivas pode passar para o sangue e afetar outras partes do organismo, aumentando, por exemplo, o risco de sofrer de doenças cardiovasculares, de acordo com a SEPA. As doenças periodontais também estão associados com a ocorrência de diabetes tipo 2.
Enquanto que a gengivite requer um tratamento antibiótico para acabar com as bactérias e uma curetagem para retirar o tártaro retido na linha dental, a periodontite obriga a intervenções mais agressivas, mesmo com a cirurgia.
Como detectar as doenças periodontais?
A existência de uma patologia periodontal pode-se demonstrar que, além da inflamação e o sangramento das gengivas, por:
A existência de halitose.
Dor ao mastigar.
Sensibilidade dental.
Mobilidade dos dentes.
Retraimento das gengivas.

Como prevenir os problemas de gengivas?
Com o objetivo de evitar estas doenças e outros problemas, é conveniente:
Reduzir o consumo de gorduras saturadas e açúcares. A alimentação afeta diretamente a saúde oral, por isso que é importante controlar o que se come e em que quantidade. Há que renunciar de manteigas e pastelaria industrial, e optar por carnes magras, peixe azul e os produtos desnatados.
Vigiar o que se bebe, especialmente se você tem os dentes sensíveis. As bebidas ácidas têm um efeito negativo na boca, se estão frias e levam açúcar são ainda mais prejudiciais, pelo que é aconselhável moderar ou eliminar o consumo.
Evitar que os dentes se manchadas ou rasgadas. O vinho tinto, café, chá, refrigerantes de cola e o tabaco podem provocar o aparecimento de manchas nos dentes, ao igual que o chocolate preto em excesso. Além disso, há que ter cuidado ao morder alimentos duros com os dentes da frente.
Escovar os dentes pelo menos antes de dormir. O cuidado com a dieta contribui para uma correcta limpeza bucal, pois a falta de higiene ou uma inadequada ou insuficiente pode dar origem a doenças das gengivas, que, em casos extremos, podem causar a perda de uma ou mais peças dentárias. É imprescindível cepillarnos, pelo menos antes de ir para a cama, já que só assim se pode manter uma boa saúde bucal.
Não adiar a visita ao dentista. A prevenção é o melhor investimento. Uma visita periódica ao dentista permitirá rever tanto a saúde dos dentes como as tão frequentemente esquecidas gengivas, ajudando a prevenir as doenças periodontais e, se já não é possível, ao menos, diminuir o seu curso.