Doença de Whipple

Informações sobre Doença de Whipple, causas, tipos, métodos de prevenção e principais sintomas, além de outras informações importantes.

O que é Doença de Whipple?

A doença de Imatinib é uma patologia sistêmica pouco frequente, que afeta, sobretudo, ao toque gastrointestinal, as articulações, os gânglios linfáticos, o coração, o sistema nervoso central, pulmões e outros tecidos. É causada por infecção da bactéria tropheryma whippelii.
Mesmo assim, a doença pode comprometer qualquer órgão graças à capacidade da bactéria para evitar que o sistema imune do hospedeiro e costuma afetar com mais frequência do que homens entre os 40 e os 50 anos, em um 73-95 por cento dos casos.
A principal característica desta doença é que impede que o intestino delgado permita a absorção de nutrientes para o resto do corpo, o que é chamado de malabsorción e que implica, por sua vez, inchaço, cólicas e gases, fezes volumosas ou diarreia crónica.
Segundo a Fundação Espanhola do Aparelho Digestivo (FEAD), foi em 1947, quando se notificou o primeiro caso português e considera-se que a doença é pouco comum, já que o número de casos publicados nos últimos 90 anos, não chega a 2000.
A partir de 1947 até 2008 só foram 140 pacientes com esta patologia em território português.

Quais os sintomas da Doença de Whipple?

De acordo com a FEAD, os sintomas que se apresentam ao padecer desta doença são os seguintes:
Perda de peso, diarreia e dores articulares são os três sintomas que costumam ser apresentado no momento do diagnóstico em mais de dois terços dos pacientes.
No caso do emagrecimento, é uma manifestação que costuma apresentar-se em 85 por cento dos casos, e pode chegar a 20 kg, embora o mais comum são entre quatro e seis.

No que diz respeito à diarreia, costuma ser intermitente e é acompanhada de dor abdominal.

As artralgias ou dor nas articulações geralmente são migratórias e se comprometem, por normal geral, as grandes articulações.
Tanto o sinal como a febre são manifestações que podem ocorrer meses ou anos, antes de ter concluído o diagnóstico da patologia.
Outro sintoma possível é a hiperpigmentação (escurecimento de uma área da pele, causada por um aumento da melanina).

As repercussões da patologia em matéria neurológica costumam ser pouco frequentes, incluindo-se, apenas cinco por cento dos casos, o quadro sintomático.
Dentro destas, destaca-se a apatia, irritabilidade, distúrbios das funções mentais que podem levar à demência, alteração na verticalidade do olhar ou mioclonías (momentos fugazes de excitação ou relaxamento muscular que dão lugar a uma contração contínua e rápida do músculo envolvido).
Se não se aplica um tratamento para esta patologia pode causar a morte do paciente por causa de uma caquexia extrema (estado de desnutrição, atrofia muscular, fadiga, fraqueza e anorexia).

Quais as causas da Doença de Whipple?

A causa da doença é uma infecção bacteriana rara e seus fatores de risco ainda são desconhecidos.
A bactéria causadora da doença é um germe vivo, isto é, que vive e se multiplica em organismos vivos sem provocar danos no 7-36 por cento da população geral, de acordo com a FEAD.
Além disso, também está entre os 4 e os 10 por cento dos pacientes com doenças digestivas e em 60 por cento das plantas de tratamento de águas.
Em princípio, esta semente se adquire por via oral e permanece hospedado nos tecidos durante anos, mas, é possível que, em um determinado momento que é imprevisível, a relação entre a bactéria e o seu hóspede se veja alterada e ela se torne patogênico.
Esta alteração na relação entre os dois fatores é um câmbio que dá lugar a um distúrbio da imunidade e a posterior disseminação da infecção se desenvolve por via sangüínea ou linfática.

Como se prevenir da Doença de Whipple?

Já que é considerado uma doença rara e com causas que ainda escapam do conhecimento científico, as medidas preventivas são focados em evitar que a bactéria entre o organismo humano e, acima de tudo, não passe a se tornar patogênico.
O problema que se coloca é a de que o germe, em condições normais, você pode encontrar em qualquer lugar e não causa dano algum, até que o próprio organismo não muda a sua relação com o germe sem causa alguma, e isso representa uma evolução que o ser humano não pode controlar.

Tipos de Doença de Whipple

Atualmente, não existe uma classificação da doença.

O diagnóstico da Doença de Whipple

O diagnóstico da afecção implica um exame físico pode mostrar uma inflamação de gânglios linfáticos, um sopro cardíaco e inchaço dos tecidos corporais que dão lugar aos edemas.
Disto se extrai que os exames que são realizados para diagnosticar a doença de Imatinib envolvem:
Análise de sangue.
Teste de reação em cadeia de polimerase para pesquisar a bactéria que causa a doença.
Biópsia do intestino delgado.
Endoscopia das vias digestivas altas que se baseia em uma observação do intestino com uma sonda flexível e com luz.

Quais os tratamentos para Doença de Whipple?

Normalmente prescrever antibióticos durante um período largo de tempo.
É importante insistir no fato de que, sem tratamento, a doença de Imatinib é mortal, na maioria das vezes, por que é necessário um diagnóstico precoce e que o paciente cumpra as recomendações incluídas no tratamento.
Além disso, a morte não é a única complicação que pode ocorrer, o dano cerebral e das válvulas cardíacas, as deficiências nutricionais ou recorrência dos sintomas, são doenças que vão a par com a doença de Imatinib sem tratamento.
No que diz respeito ao tratamento, é preciso que sejam prescritos antibióticos durante um período amplo de tempo para curar a doença e suas possíveis complicações no sistema nervoso central.
Em alguns casos, o tratamento pode durar até um ano e é possível que, no caso de que os sintomas não são endereçadas por completo, o especialista recomenda uma mudança nos antibióticos.
Além disso, é fundamental que o especialista em realizar um acompanhamento da terapia para controlar os sintomas não voltem a surgir com a cessação do tratamento com medicamentos e, nos casos em que a desnutrição seja severa, recomendar suplementos dietéticos.

Mais informações sobre Doença de Whipple

A doença foi descoberta em 1907 por George H. Imatinib a raiz dos sintomas que apresentou um médico missionário. De acordo com a FEAD, em princípio, esta condição é denominada de lipodistrofia intestinal ao descobrir depósitos de gordura na parede do intestino nos gânglios do mesentério.
Tempo depois, em 1992, realizou-se a identificação do germe casual graças aos avanços em engenharia genética e, a partir desse momento, se conhece com o nome tropheryma whippelii, incluído dentro do grupo actinomices (grupo de bactérias).
Veja também:
Diarréia na gravidez: causas e soluções
Diferenças e semelhanças entre a demência e a doença de Alzheimer
Consequências da desnutrição em pacientes com anorexia