Dor Crônica, 6 de cada 10 espanhóis sofrem o

60% dos espanhóis sofrem as dores do dia a dia, de acordo com o estudo “Colgate Sensitive sobre os espanhóis e a dor”. As moléstias afetam a qualidade de vida daqueles que o sofrem. Em concreto, 69% das mulheres frente a um 52% dos homens. As doenças mais cotidianas são a de costas ou pescoço, que sofrem ou sofreram alguma vez a 60%, a dor de cabeça que sofre por 45% e as relacionadas com a boca por 36%. O estudo é apoiado pela Sociedade Espanhola da Dor.
A pesquisa, que foi feita entre mais de 2000 espanhóis, põe de manifesto os pequenos problemas do dia a dia que se têm quando se sofre uma dor crônica. O mais comum é a diminuição da capacidade de concentração. Um 63% dos espanhóis afirma que a dor lhes impede de concentrar-se com normalidade e isso os afeta no trabalho e no tempo de lazer, especialmente se a dor está na cabeça, a boca e os dentes.
Apesar de que 77% das pessoas que intervieram no estudo não encontra nada de positivo em sentir dor, 23% acreditam que todos os sofrimentos serve para nos alertar de que algo não vai bem e poder evitá-lo ou corrigi-lo. Além disso, destacam que a dor nos faz compreender a grande importância que tem a saúde em nossas vidas e tornar-nos mais fortes.