Há que operar de fimose meu filho?

Uma das preocupações de muitos pais quando têm um filho é se há que operarle de fimose ou não. E é que a chamada circuncisão, é uma cirurgia que -como quase todas as que se faz com os meninos – preocupa as famílias.
Os pais temem pelo uso de anestesia, os resultados, a possibilidade de que lhe doa seu filho, duvidam se ele ficará bem, se cicatrizará corretamente, você vai sofrer complicações… Não tem que incomodar tanto, posto que é uma intervenção mais simples do que parece.
A Academia Americana de Pediatria, explica que operar de fimose uma criança não é essencial para sua saúde, por isso é decisão dos pais. Não obstante, estes salientam que vários estudos científicos têm demonstrado os benefícios médicos desta intervenção.
O que é a fimose
A fimose é quando o prepúcio –uma espécie de capuz de tecido que recobre o pênis – impede que fique a descoberto por completo a glande -a parte final do pênis-. É muito comum em bebês que a retração do prepúcio seja complicada, podendo-se resolver com o tempo de forma natural.
É dada em 95 por cento dos recém-nascidos, em 80 por cento dos bebês de 6 meses, em 50 por cento, de 1 ano e 10 por cento nos de 3 anos. Pode chegar até a adolescência (2 por cento dos 17 anos) e, até mesmo, há adultos com fimose.
Costuma ser uma doença congénita -adquirido no útero, por herança ou não-, mas também há bebês que apresentam frutos de uma má retração ou uma retração forçada do prepúcio, por exemplo, quando se limpam seus pais. Além disso, os adultos podem sofrer de fimose por outro tipo de causas, como a inflamação da glande (balanopostite), por exemplo.
Em que consiste a operação

Toda intervenção cirúrgica, especialmente se você tem que fazê-la em crianças, costuma dar reparo. No entanto, neste caso, a operação para corrigir a fimose pode durar pouco tempo, é feito de forma ambulatorial e a recuperação tende a ser rápida.
Conforme explica a Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos (Medline Plus), em recém-nascidos é feita antes de saírem do hospital, com anestesia local. O normal é com um dispositivo (de plástico ou de metal) em forma de anel que prende o prepúcio, que é cortada por debaixo desta espécie de pinça. Nos casos em que se utiliza o aparelho de metal, este se retira diretamente, enquanto que, se é de plástico, cai sozinho.
Em geral, em crianças e adultos, é geralmente realizada sob anestesia geral. O cirurgião seciona a parte do prepúcio que sobra e costure a zona com fio reabsorbible. Esta intervenção implica uma recuperação entre 7 e 10 dias de cicatrização, embora haja ocasiões em que pode levar até 3 semanas. O médico costuma receitar analgésicos para a dor.
Quando se deve operar a uma criança ou bebê de fimose
Os pediatras costumam recomendar realizar a operação de fimose em crianças quando falharam as outras terapias. Se a situação não se resolve de forma natural, ou seja, se até os 3-4 anos de idade, quando a pele está mais flexível e fina, não pode descer facilmente, poderá optar por tomar as primeiras medidas.
Inicialmente, normalmente prescrever o uso de cremes com corticosteróides para amaciar o prepúcio, o suficiente para poder retraerlo facilmente. Quando o tratamento medicamentoso não dá resultado, opta-se por considerar a circuncisão. Não obstante, costuma ser aconselhados que, se a fimose não dá problemas, é esperar que a criança cresça, por exemplo, até que tenha entre 5 e 7 anos.
Cuidados em casa depois de uma circuncisão
É normal que a criança tenha desconforto ao urinar durante, pelo menos, uma semana. Para que não afete nem surjam complicações, os principais cuidados devem ser:
Trocar o curativo a cada vez que você tira a fralda ao bebé.
Usar vaselina para evitar que se cole a faixa.

Mas são raros os casos em que há problemas no pós-operatório, há que ir às urgências se o bebê ou a criança não urina com normalidade depois de, entre seis e oito horas de intervenção, ou quando não parar o sangramento.
Após a cirurgia, é normal que a ponta do pênis pareça que está em carne viva ou tenha a cor amarelada. No entanto, se este vermelhidão piora passados entre três e cinco dias, há que consultar com o médico. Também há que pedir ajuda se há escorrendo de cor amarelo durante mais de uma semana.
O que acontece se não operando a seu filho de fimose: consequências
Numerosas investigações têm demonstrado benefícios da circuncisão, como menor risco de infecção com o vírus da imunodeficiência humana (HIV) e outro tipo de infecções de transmissão sexual ou das vias urinárias, menor risco de desenvolver câncer de pênis e uma espécie de efeito de prevenção contra a infecção do prepúcio.
Portanto, não operar um filho de fimose e deixar que a retração do prepúcio continue sendo complicada e uma parte da glande continue sem ser descoberto, pode levar a complicações como:
Coitos dolorosos mais tarde.
Infecções de pau (balanopostite).
Infecções de urina.
Dificuldades na hora de urinar: fácil de aclimatar em aquário (dor ao miccionar) 0 retenções agudas de repetição, entre outras.
Adesões balanoprepuciales: quando o prepúcio é muito aderido à glande ou bálano.
Parafimosis: quando o prepúcio não pode ir para frente e cobrir a ponta do pênis.
Câncer de pênis: costuma ser muito raro. É uma consequência da fimose que se dá em cada 100.000 não circuncidados ao ano.
Em todo o caso, os especialistas aconselham os pais que optarem não operar a seus filhos, que pergunte ao seu pediatra como limpar o pau do menino. É importante não forçar o prepúcio, que não pode retrair por completo.