Jovens e Álcool

Sujeita a Licença Creative Commons Atribuição. Autor: Vic Lic
Após os resultados da última pesquisa sobre drogas, realizada em 1996, para alunos entre os 14 e os 18 anos, a preocupação dos pais com o consumo de álcool tem vindo a aumentar. E não é para menos, já que 21% dos entrevistados reconheceu ter bêbada, ao menos uma vez nos 30 dias anteriores à realização da mesma.
O Ministério da Saúde e Consumo iniciou-se várias campanhas de prevenção do consumo do álcool, dando informações, tanto os jovens quanto os pais deles. Hoje, em CosasdeSalud recolhemos as características mais importantes a ter em conta, agora, de manter uma conversa com nossos filhos e informá-los sobre os riscos do consumo excessivo de álcool.
Em primeiro lugar, existem dois tipos de bebidas alcoólicas que só diferem no grau de concentração de álcool presente no delas:
As bebidas fermentadas como a cerveja, o vinho, cidra, etc., Cuja concentração costuma oscilar entre os 5 e os 15 graus.
E as bebidas destiladas, que o procedimento empregado para obtê-las, contêm uma maior concentração, entre 17 e 45 graus. Trata-Se do Rum, uísque, gim, vodca, o anis, o conhaque, aguardente, licores frutados e alguns snacks.
Também existem três graus de consumo de álcool, e é importante distinguir entre uso, abuso e dependência:
Uso: há referência a esse consumo ocorre com uma freqüência mínima e em pequenas quantidades. Por que não apresentar problemas graves nem físicos, nem psíquicos ou sociais.
O abuso: considera-Se daquele consumo, o que pode causar problemas e a pessoa, sejam eles físicos, psíquicos ou sociais. Além disso, se relaciona com atividades de risco, como a condução sob os efeitos do álcool, as práticas sexuais de risco, etc.
Dependência: é o estádio mais grave a que pode chegar uma pessoa no consumo de álcool. Trata-Se de bebedores habituais que têm desenvolvido uma tolerância física da substância e devem ingerir progressivamente maior quantidade de álcool para atingir os efeitos deste. Esta situação costuma resultar em problemas de fígado gravados como Hepatite ou Cirrose alcoólica. Assim como condutas compulsivas idênticas às de outras drogodependencias.
Para determinar o consumo de uma pessoa existem diversos parâmetros. Nós propomos esta tabela como referência para se ter uma idéia das quantidades:

Há que ter em conta que existem várias diferenças na hora de fazer uma avaliação individual, em primeiro lugar há que ter em conta que a defesa metabólica perante o álcool é mais baixa em crianças com menos de 17 anos, pelo que o seu consumo a estas idades pode produzir mais facilmente alterações orgânicas ou psicológicas. E em segundo lugar, os adultos há que diferenciar entre homens e mulheres. Enquanto a taxa que não devem superar os homens em um dia é de 30 gramas de álcool puro, a das mulheres é reduzida a 20.