Minha experiência com Invisalign: por que eu decidi que era a minha melhor opção

Em abril do presente ano, minha situação pessoal chegou a um ponto em que devia tomar uma decisão. Muito trabalho, muitas responsabilidades e obrigações, que me levou a começar a ter fortes dores de cabeça e até dor nos maxilares, algo que nunca me tinha passado nunca.
Decidi visitar-me, além de meu médico, um dentista que explicar estas dores para aproveitar o passo e fazer uma revisão. Ali me dei conta, as explicações do cirurgião-dentista, que pode estar apertando os dentes durante a noite, o que é conhecido como bruxismo, de forma que a dor de mandíbula, em seguida, se irradiava para a cabeça e até mesmo o pescoço. “Além disso, você tem a mordida cruzada e isso piora um pouco mais a sensação”, eu disse.

Perguntei-lhe quais as opções que tinha, e foi franco quando ele me explicou que o melhor para evitar o bruxismo por estresse é tentar controlar as fontes de stress, de não chegar à noite saturado para assim ter um descanso reparador.
Corrigir a mordida cruzada pode ajudar um pouco
Em qualquer caso, a mordida era cruzada e tinha um certo apinhamento nos dentes inferiores, de forma que meus dentes estavam começando a se desgastar de forma irregular e claro, com o tempo, isso iria mais.
Então, aproveitando que tinha que começar a fazer mudanças em minha vida, que me havia dito o do desgaste e que, ao ser mordida cruzada poderia ser pior no caso de apertar os dentes de noite, eu decidi que era um bom momento para usar ortodontia pela primeira vez em minha vida: “Assim terei por fim os dentes bem”, eu disse a mim mesmo.
Eu Me coloco brackets ou Invisalign?

Uma vez tomada a decisão, eu poderia fazer duas coisas: fazer uso dos brackets, que são o método mais conhecido e utilizado na atualidade, ou corrigi-los através de Invisalign.
Eu ia direto pensando que faria o primeiro, basicamente, porque não conhecia a segunda opção, e assim que ouvi atentamente o que o dentista me explicou a respeito.
Ele costumava recomendar aos jovens por uma questão de estética (e eu tenho 37 anos e pareço alguns menos, conforme diz o povo), basicamente porque se vêem muito menos do que os brackets. Perguntei-lhe em que consistia, e me disse que são cerca de alinhadores transparentes, que se depositam sobre os dentes e que, embora se levam a maior parte do dia, se podem retirar para lavar os dentes e para comer (bem, para comer não é que se possa, é que se deve).
O preço era maior do que os brackets, mas sinceramente, me dava bastante reparo o tema de sofrer inflamações na boca, assim como ter que andar sempre retirando comida dos aparelhos. Vamos lá, que eu imaginava sorrindo mostrando um pedaço de comida todos os brackets e a cena não me motiva muito.
Uma pessoa pouco preocupada com sua aparência e muito para o seu conforto
É verdade que todos nós nos preocupamos com a nossa aparência. Mentindo se dissesse que, no fundo, não tinha vontade de ter os dentes bem. Mas foi apenas um fator a mais na hora de decidir por usar ortodontia: o desgaste, a dor de mandíbula e o aspecto estético (se o estético fosse a única razão, eu agora não estaria escrevendo isso).
Então, por não ser um problema grave para mim, o tema da posição de meus dentes, nunca antes tinha pensado em colocar aparelhos. Vamos lá, que eu pensava em me passar um ou dois anos com eles na boca e a preguiça afastava rapidamente esse pensamento de minha cabeça.
Mas ao comentarme que com o Invisalign me evitaria grande parte dos atritos, feridas e o rolo de higiene, acreditei que era a solução ideal para mim. Além disso, era bastante provável que a gente não se dar conta apenas de que o estava usando.
E assim chegou o dia de pegar os moldes
Passaram-se algumas semanas e voltei a me ver com ele, na consulta, no dia em que tudo começou. Depois de fazer-me várias fotos de frente e perfil, com a boca em diferentes posições e mordidas, me colocou em uma pasta em cada uma das mandíbulas para pegar os moldes e começar a trabalhar com os meus dentes para estudar as soluções.
Segundo me contou, toda esta informação que viajaria para os EUA, onde fariam o estudo para depois temporalizar o tratamento e ver como ir procedendo com cada alinhador.
Um mês depois iria ver para explicar como continuaria tudo, mas isso eu explico em outro momento, agora mesmo eu tenho que tirar as casas alinhadores do tratamento, os que coloquei ontem, pela primeira vez, para ir comer.