O excesso de tártaro? Descubra como resolvêlo!

O tártaro consiste basicamente em uma calcificação da placa dental ou bacteriana. Por isso, se não se elimina de forma regular, pode acumular um excesso de tártaro que se endurece e vai escurecendo com o tempo, passando de uma cor branco a uma cor amarelada e posteriormente marrom.
Não obstante, sem prejuízo de desconforto e problemas estéticos, o excesso de tártaro também pode contribuir para outros problemas, por isso não deve ser deixada de lado. Entre eles, pode-se mencionar que se favorece a inflamação e o sangramento das gengivas, a gengivite ou a peridontitis.
Além disso, pode ser causa de halitose e cárie ao enfraquecer com o tártaro o esmalte dental. Mesmo (isso é menos comum), pode ter algum papel no desenvolvimento de doenças cardíacas ou cardiovasculares ou problemas digestivos.
Por que aparece o excesso de tártaro?
Normalmente, está associado a uma má higiene oral, quer pela pouca freqüência em que se escovam os dentes, porque se acumula em áreas de mais difícil acesso. Neste último sentido, pode aparecer e se acumulam sobre os dentes como entre eles, mas também entre os dentes e as gengivas ou sob as gengivas. Também é importante considerar a técnica correta e a duração da escova.
Não obstante, junto à má higiene, pode dever-se também a outros fatores, ou a um conjunto deles. Também influenciam a acumulação de tártaro os hábitos alimentares e até mesmo o ph da saliva, que varia de acordo com cada pessoa. O pH ácido (menor que 5) há um ambiente propício para a adesão bacteriana à película adquirida, permitindo a formação de placa dental.
Dentro dos hábitos alimeticios destacam-se, precisamente, aqueles que podem alterar o ph da saliva, como refrigerantes, e o alto consumo de açúcares em geral ou bebidas alcoólicas.
O tabaco também pode influenciar negativamente sobre esse problema.

Soluções para o excesso de tártaro
Falamos de soluções porque queremos dar protagonismo à solução preventiva, juntamente com a inevitável limpeza bucal, para que tenha de recorrer a um dentista.
No caso de que seja necessária a limpeza bucal, é indolor (mas também pode aplicar-se anestesia com spray em alguns casos) e costumam obter bons resultados.
Apenas nos casos mais complexos, em que seja necessário limpar também de acordo com as gengivas, pode ser necessário algum tipo de anestesia de caráter local.
Isso sim, depois inscreva-se também à solução preventiva, que inclui, escovar os dentes após cada refeição, e, usar fio dental para remover os restos de comida. Além disso, também é aconselhável usar creme dental com flúor e cuidado para não beliscar entre as refeições.
O raspagem e alisamento radicular consiste na remoção do tártaro que está abaixo da gengiva e que não é acessível com uma limpeza convencional, esta última realizada por um periodontista.
Também são recomendáveis as revisões periódicas da boca, especialmente se você tem algum desconforto.
Por último, indicar que existem algumas práticas ou alimentos que podem contribuir para a remoção de tártaros de forma natural. Entre elas podemos citar:
Evitar o tabaco e o álcool, que são irritantes para as mucosas e aumentam as chances de sofrer de doença das gengivas.
Recomenda-Se tomar fruto, em especial, morangos, maçãs e um melão. De preferência, mordidas, e, no caso da maçã, sem casca. Ou vegetais, especialmente tomates (por exemplo, em salada). Outros alimentos recomendados são a salsa e as sementes de sésamo.
Com todas estas indicações, já pode ter o excesso de tártaro sob controle.