O Pilates também é bom para as pessoas idosas

Que a prática do exercício físico de forma regular traz muitos benefícios para a nossa saúde, aumenta a esperança de vida e reduz o risco de contrair inúmeras doenças, é uma realidade conhecida que, no entanto, não cala, da mesma forma a todas as idades. Algo que tem que ver, sobretudo, com os mais velhos, que acabam dispensando a necessidade do esporte por medo de se lesionar.
Não obstante, existem modalidades que não requerem grandes esforços, e que podem entrar em funcionamento em qualquer momento. É o caso do Pilates, um método que, além disso, conta com variadas virtudes para as pessoas que se encontram na terceira idade. Hoje recolhemos algumas das mais significativas e que evidenciam a importância de um envelhecimento ativo.
1. Melhora o controle do assoalho pélvico
Para começar, vamos nos concentrar em um foco, principalmente, para as mulheres: o fortalecimento e controle do assoalho pélvico. Os exercícios específicos são essenciais para evitar problemas desagradáveis como a incontinência urinária. Alguns músculos habitualmente esquecidos que não convém deixar de lado e nem sempre é fácil exercer, em especial, pois requer concentração.
O que queremos é fortalecer os músculos que se encontram sob o útero, a bexiga e o intestino. No caso dos homens, este tipo de movimentos, podem ser e são benéficos para a disfunção erétil.
2. Melhora a coordenação e equilíbrio

Uma das grandes virtudes do Pilates é a reeducação postural através do movimento consciente, como um de seus princípios mais básicos que, além disso, ajuda a tomar boas posições. Algo que é fundamental na hora de prevenir mialgias, reequilibrar a musculatura e ajudar-nos a sairmos com menos esforço na vida cotidiana.
Tendo em conta que os problemas degenerativos próprios do envelhecimento apontam na direção contrária, não está nada mal. Além disso, isto está diretamente relacionado com a estabilidade da pessoa e com a prevenção das quedas, muito perigosas quando se sofre de osteoporose e doenças similares. O trabalho de core ou do tronco será fundamental, já que a maioria dos movimentos que realizamos partem da região média do corpo.
3. O Pilates reduz o risco de fraturas ósseas
A perda de massa óssea na terceira idade e a osteoporose, aumentam o risco de fraturas neste grupo de idade. Praticar Pilates pode melhorar o processo de envelhecimento e, portanto, aumentar a qualidade de vida. Ele faz isso definindo padrões de movimentos eficientes e favorecendo o alinhamento das articulações e o esqueleto axial.
Em todo o caso e para aqueles que já a possuem, devem evitar as elevações bruscas e extensas de coluna para a frente e os movimentos de flexão lateral e rotação. O programa, além disso, deve incluir exercícios de fortalecimento, estabilidade escapular, fortalecimento do quadril e bonecas concretos e extensão da coluna.
4. Favorece a perda de gordura e aumenta a massa muscular
A prática do Pilates também está associada à perda de gordura, que se agradece em especial neste grupo, pois o excesso de peso afeta diretamente a saúde das articulações. A ideia aqui é favorecer o aumento da massa muscular, que, por sua vez, acelera o metabolismo basal e a capacidade do corpo para queimar gordura.
Além disso, trata-se de uma actividade de intensidade moderada, no entanto, consegue reduzir o índice de massa corporal com sucesso –e sempre que se pratique, pelo menos, cinco horas por semana-. Em mulheres adultas maiores, além disso, o fortalecimento da região abdominal reduz as dores lombares. A inclusão de pesos e resistências é recomendável se se procura esta finalidade.
5. Promove a participação social

Além dos benefícios físicos, puramente tais, o Pilates é uma modalidade que normalmente é praticado em aulas coletivas, academias e similares. Uma implementação que implica relacionar-se com outras pessoas e uma maneira de evitar o isolamento que, além disso, está diretamente relacionado ao risco de desenvolvimento de demência.
Efetivamente, porque, de acordo com inúmeros estudos, aqueles idosos que estão sozinhos têm mais risco de sofrer. Além disso, é provável que estes ambientes correspondem com pessoas mais jovens, que podem chegar a motivá-los, dar uma visão diferente e, em definitiva, dotá-los de estímulos diferentes dos que estão acostumados.
Precauções e exercícios
Por fim, cabe comentar que a classe deve se adaptar às necessidades próprias desta idade e respeitar as diferenças individuais. Além disso, há que evitar os exercícios mais complicados, que exigem grande flexibilidade e que podem resultar em lesões desagradáveis. Aqui, o mais importante é que a pessoa preste atenção às suas sensações corporais.
Além disso, existem alguns movimentos mais recomendáveis do que outros. Por exemplo, os realizados no reformer, trapézio ou circuito de equipamentos que vão permitir preparar-se adequadamente e aprender a executar os movimentos de forma mais controlada. O uso de bolas e movimentos específicos, como o do gato e as extensões também são muito recomendados. O pelvic –que consiste em subir a pelve deitado de costas e com as pernas para cima – é outro que vale a pena comentar.