Quais são os TOCs mais frequentes

Você se lembra do ator Jack Nicholson no filme Melhor Impossível tentar passar na calçada das juntas de ladrilhos? O Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), uma das cinco doenças psiquiátricas mais frequentes, é um transtorno de ansiedade caracterizado por pensamentos obsessivos, ou seja, idéias fixas, recorrentes e persistentes que causam preocupação, medo, ansiedade ou apreensão.
Por sua vez, esses pensamentos obsessivos geram a pessoa que sofre uma reação defensiva que se traduz em compulsões, ou seja, em atos repetitivos, cujo fim é evitar as consequências dos próprios pensamentos (se não olho para debaixo da cama cinco vezes, vai acontecer uma catástrofe). A pessoa pode reconhecer que são atos absurdos, mas se não os realiza, aumenta sua ansiedade.
Não necessariamente uma obsessão vai se tornar um transtorno. O será quando esses pensamentos -também impulsos ou imagens mentais-, e as ações repetitivas que muitas vezes os acompanham, interferem na vida da pessoa. Se costuma falar de transtorno quando obsessões e compulsões ocorrem durante mais de uma hora por dia, afetando as atividades diárias, a vida familiar, social, profissional ou académica da pessoa.
TOCs frequentes
Embora sejam muito diferentes, os TOCs mais comuns são alguns dos que listamos abaixo e causam um grande sofrimento para aqueles que sofrem de:
Limpeza compulsiva
A ansiedade da pessoa é a poluição que pode experimentar o seu corpo, ou o contágio de doenças através dos objetos que toca. Os indivíduos com este TOC costumam lavar as mãos diversas vezes ao dia e ao limpar sua casa de forma muito meticulosa, ajudando-se de desinfetantes.
Ultra verificação
Refere-Se àqueles que se asseguram uma e outra vez, por exemplo, de ter fechado a torneira do gás, a porta ou de ter colocado corretamente o alarme do despertador. O que lhes move a fazer isso é o seu temor desmedido que aconteça algo ruim, por isso podem passar muito tempo certificando-se de que está tudo bem, repetidamente.
Precisão, ordem e/ou simetria
Trata-Se de pessoas que sentem a necessidade imperiosa de fazer suas atividades diárias de uma determinada forma, o ditado de seus pensamentos. De não ser assim, podem sofrer quadros de angústia que lhes impeçam de realizar suas tarefas cotidianas.
Repetição
Para eliminar a ansiedade, as pessoas que sofrem este tipo de TOC precisam dizer e repetir determinada palavra, frase, ou realizar acordo com o comportamento várias vezes.
Acumulação
O indivíduo tem o hábito de acumular coisas insignificantes e inúteis, como papéis ou pilhas, sendo incapaz de se desfazer delas e vivendo, por vezes, em condições caóticas.
Verificação somática e/ou hipocondria
Essas pessoas tem verdadeiro pavor a desenvolver doenças graves e entram em pânico diante da presença de sintomas somáticas estranhos. Verificam constantemente as funções corporais, como a frequência cardíaca, a pressão arterial ou a temperatura.

Superar o TOC
O Transtorno Obsessivo-Compulsivo costuma aparecer na infância ou no início da fase adulta e, quanto antes você tratar, melhores serão os resultados. Neste sentido, o uso de tratamentos, tanto farmacológicos como a cognitivo-comportamental pode beneficiar as pessoas com TOC, se bem que o tipo de terapia deve ser decidido pelo psiquiatra que diagnostique o transtorno, em qualquer caso.
A terapia comportamental costuma ser muito eficaz. Utilizando este método, o paciente se depara com o objeto ou idéia temida, seja diretamente ou com a imaginação, e é incentivado a evitar os seus rituais. Por exemplo, um paciente que se lava as mãos compulsivamente é incentivado a tocar um objeto que acredita que está contaminado. Posteriormente, é incentivado a evitar lavar durante várias horas, até que a ansiedade é reduzida, em grande parte.
O tratamento começa com uma compulsão que provoque pouca ansiedade, e, uma vez superada essa compulsão, se passa para a seguinte, e assim passo a passo. À medida que progride o tratamento, a maioria dos pacientes sentem-se gradualmente uma menor ansiedade provocada pelos pensamentos obsessivos e acabam sendo capazes de resistir aos impulsos compulsivos.