Relação entre menopausa e incontinência urinária

No próximo domingo, dia 18 de outubro será comemorado o Dia Mundial da Menopausa, uma iniciativa para conscientizar as pessoas, principalmente as mulheres, sobre esta difícil fase da vida que começa no final do ciclo menstrual. Nesta ocasião, o blog da saúde quer fazer referência a informações relacionadas à suposta relação que existe entre a menopausa e a incontinência urinária. Existe realmente tal união?

Com motivo da proximidade da celebração do Dia Mundial da Menopausa, nas últimas horas, veio à nossa mesa de redação uma interessante informação relacionada à menopausa e à afirmação que assegura que esta fase está intimamente ligada com a incontinência urinária.
Como se considera interessante as conclusões ali esquerda, afastado, este blog pretende partilhar com os leitores destas declarações públicas pelo Instituto Indas, o qual refuta categoricamente a afirmação anterior e expressa de que não tem nada a ver uma coisa com a outra.
O Instituto Indas, criado para melhorar a qualidade de vida de pessoas que sofrem de incontinência urinária em território português, foi levantada a questão sobre se a menopausa e a incontinência urinária estavam relacionadas. Apesar de que a maioria das pessoas estavam confiantes de que tinham pontos em comum, a instituição chegou à conclusão de que a resposta é um claro “não”.
Mas isso vai além de uma simples resposta. Os responsáveis da instituição recomendam às pessoas com incontinência urinária que consultem seus médicos e esclarecem que existem tratamentos para evitar esta doença.
Os sintomas da menopausa
Se bem que este blog de saúde se referiu várias vezes ao tema da menopausa, em seguida, se fará referência outra vez a esta fase da vida sexual feminina.
Seria importante referir-se a algumas características da menopausa. Por exemplo, destacar que nesta fase surge ao fim do ciclo menstrual, que sua aparição normalmente chega quando as mulheres cumprem 50 anos e que alguns de seus sintomas mais frequentes são: 1) sensação de calor, 2) transpiração da pele, 3) irregularidade dos ciclos menstruais, 4) depressão, e 5) mudanças de humor, como já foi relatado neste blog em anteriores artigos jornalísticos sobre o tema.